segunda-feira, 1 de julho de 2013

Sorri comigo

Quero ver-te sorrir.
Mesmo que as lágrimas
Não desistam de escorrer pelo teu rosto,
Mesmo que as palavras
Sufoquem na tua garganta,
Mesmo que a tua cabeça
Se assemelhe ao maior
Labirinto do mundo,
Sorri.

Não tenho grandes palavras para ti:
Toda a grandeza que te posso oferecer,
Está no meu coração,
No meu sorriso,
Nos meus olhos,
E por vezes, nos meus gestos.

Não te posso oferecer o mundo,
Ou os desejos alheios.
Não te posso curar as feridas,
Que nunca sararam,
Mas cujas cicatrizes
São as mais profundas
Não do corpo,
Mas da alma.

Não te posso prometer
Que não voltarás a chorar,
Não te posso prometer
Que desilusões não aconteçam
E que os sonhos sempre se cumpram.

Mas prometo que quando estiveres magoado,
Eu estarei aqui.
Que não importa o tamanho das tuas feridas,
Que não importa o quanto te doa e te arda e te faça gritar,
Os teus gritos nunca me afastarão.
Também tu estás partidinho,
E eu orgulho-me de cada pedaço teu.

Limpa as lágrimas
Que não consegues chorar.
Não penses naquilo
Que não consegues ignorar.
Sorri, e eu irei sorrir de volta.

Não são meras palavras que te dirão
O quanto vales.
O quanto és.
E também não serão meras palavras,
Que te dirão o contrário.

Invejo-te a coragem.
Invejo-te a força.
Invejo tudo o que és.
E orgulho-me,
De cada pedacinho,
De cada segundo,
De cada incoerência
Momentânea que colida em estupidez.

Porque tu és tudo isso,
E muito mais.

Um dia, irás ver com os meus olhos.
Verás o que eu vejo,
E saberás porque te digo estas palavras.

Nunca desistas de provar
Que as palavras não passam disso mesmo,
E que mereces cada vitória que tens,
Mas também aquelas que não tens.

E obrigada.
Por me fazeres acreditar nas pessoas,
Por me dares a esperança do mundo.

Porque ao encontrar-te,
Agora eu sei que existem pessoas
Porque valha a pena lutar.
Agora eu sei,
Que existem homens de H grande.

Obrigada por isso,
E por tantas mais coisas,
Que não caberiam nem no maior
Livro do mundo.

És grande meu amor:
E um dia saberás isso.

Até lá, quero ver-te sorrir.

Sempre tua,


2013

Sem comentários:

Enviar um comentário