quarta-feira, 27 de março de 2013

Desespero




Porque não consigo fugir?
Os meus pés não se descolam,
O meu corpo não se move.

O meu coração chora,
Mas os meus olhos estão secos,
A minha boca fechada.

O que se passa comigo?
Porque não reajo?

Deixo que mil explosões
Se apoderem de mim,
Me roubem a sanidade
Que pouco sobra
Dos sonhos roubados por ti.

Mas porquê tu?
De novo?

Porque não consigo?
Porque não sou capaz
De me libertar
De toda uma corrente´
De vida que fiz para
Te ter perto de mim?

Queria deixar de pensar,
Mas os sonhos invadem-me a escuridão.

Queria deixar de falar,
Mas as palavras apoderam-se da luz.

Queria deixar de sentir...
Queria deixar...

Deixa-me!

Sou assim tão odiada,
Para amar alguém que não me quer
Para a eternidade?

Que mal fiz eu?
Porque mereço este castigo?

Deixa-me!

Mesmo que a minha cabeça expluda,
Mesmo que o meu coração se desfaça,
Mesmo que a minha boca se quebre,
Assusta-me!

Assusta-me saber,
Que mesmo feita de mil pedaços,
Fragmentada do meu ser frágil,
Arrancada da minha plenitude,
Separada da minha identidade,
Podre por dentro,
Mesmo esses mil pedaços...

Esses mil pedaços vão amar-te tanto,
Quanto eu por inteira.

Deixa-me, por favor.
Que eu não tenho força,
Não tenho...

Porquê eu?

2013

Sem comentários:

Enviar um comentário