quarta-feira, 25 de maio de 2011

Love Sucks

As vezes, quando menos se espera,
O espinho pica,
E isso não quer dizer que a rosa fique menos bonita,
Nos e que ganhamos a ilusão,
Que se vencer-mos o espinho,
Colhemos a beleza da rosa.

E quando descobri-mos que a rosa,
Com ou sem espinho não nos pertence,
E que reparamos na dor,
Que aquele espinho,
Daquela rosa nos infligiu.

E olha-mos para trás,
Muitas vezes,
Continuamos a batalha,
Porque a rosa é-nos importante,
E não sabemos deixa-la na natureza.

Ate percebermos que ela perdeu a beleza,
Que o espinho já não pica,
E a dor continua a não passar.

E deixa-mos a rosa.
Pomo-la de parte.

E choramos,
Naquela infinita tristeza,
De ter perdido,
O que nunca possuímos.

E crescemos,
E vivemos,
E amamos,
Ou odiamos.

Mas aquela rosa….
Aquele espinho…

Reparamos que tudo o que encontramos no caminho,
São novas rosas,
Novos espinhos,
Mas exactamente,
Exactamente a mesma dor.

E novamente somos trocados pela natureza,
Mesmo que esta não seja tão delicada
Para a rosa,
como nos.

E aqueles espinhos cravados,
Nunca desaparecem,
So acumulam.

E quando damos por isso,
Temos uma roseira na memoria,
E um espinhal no coração…

Love Sucks.

2011

2 comentários:

  1. Talvez um dia vejas que esse pico que doi percorre a alma e mata a paixão, alimenta a ilusão e te parte o coração, nunca demonstrara, cedência ou compaixão pela luta que tens na tua mão...

    ResponderEliminar
  2. Como sempre com óptimos textos! Continua minha escritora preferida e encantar-nos com os teus postes cada vez mais viciantes :D

    Beijão grande do teu fã número 1 :D

    ResponderEliminar