segunda-feira, 23 de maio de 2011

Imutavél

Não posso mudar quem sou,
Por muitas palavras eu diga.

O meu modo é este,
É assim que sou,
É assim que quero ser.

Sou um doce envenenado,
E a cada pedaço que me tiram,
Mais amarga fico,
E mais doce pareço.

Quero beijar-te,
Quero que me vejas,
Como uma cara em muitas.

Deita-me na cama,
E abraça-me.

Faz amor comigo,
E sente-me.

Não vou mudar.

Porque sou aquela que queres,
Mas que nunca vais ter.
E vais sonhar,
E vais desejar,
E vais provar.

Mas nunca vais estar.
Por isso,
Vai em frente.

Eu estou aqui,
A minha maneira,
E sou tudo o que queres.

Usa-me,
Ama-me,
Odeia-me.

Bate-me,
Se o desejares.

Sabes que sou única,
Não há mudança para mim.
E se me queres,
E se me amas,
E se me desejas,
Fá-lo inteiramente, e
Aceita que perdeste no teu próprio jogo.

Se bruto : quero sentir –te.
Não há ninguém aqui.

Agarra-me,
Empurra-me,
Morde-me,
Bate-me.

Não vais deixar sair o doce,
Não vais desaparecer com o amargo,
Não vais fazer nada,
Não vais mudar nada.

Sabes que sou única,
E ninguém te vai deixar como eu.

Eu estou aqui,
Mas sou uma cara em muitas…

Vive com a dor,
Eu só me vou rir
Quando perceberes que sou livre.
Que sou eu.

E eu não mudo.

2011

Sem comentários:

Enviar um comentário