segunda-feira, 28 de março de 2011

A menina que queria ser grande


Quando era pequena,
Sonhava em crescer,
Em ser a melhor,
A maior,
A única,
Simplesmente porque era ‘grande’.

Agora que cresci,
Penso no tempo em que o desejava ser,
E rio-me da ingenuidade,
Típica da tenra idade,
E desejo, por sua vez,
Voltar a ser a pequena que desejava ser grande.

E entre devaneios,
Sonho então ainda não pensar em nada,
E preocupar-me com o nada que o tudo oferece,
Aborrecer-me com os maiores problemas da existência humana,
Nas triviais brincadeiras de infância.

E percorro assim,
Alegremente,
O caminho que se escolheu,
Perante mim.

Fui que o escolhi?
Dizem que sim,
Mas não tenho a certeza.
No fundo,
Não queria crescer realmente.
Apenas que alguém me levasse a serio,
Com a minha atitude ‘grande’.

Engraçado…
Nunca me chamaram grande.
Imagino que seja porque a minha altura,
Assim não o mostra.

Mas serei eu grande?

Acho que sim.
Grande de alma,
Grande de espírito,
Grande de existência.

E pequena?

Também.
Talvez ate nunca tenha realmente crescido.
Mantive aquela distancia irreal da realidade.

Mas aqui estou eu.
E inúmeras vezes me perguntei,
Como seria,
Se pudesse mudar algo.

Resolvi que não o faria.

Que seria eu,
Se não fosse a menina pequena que sonhava ser grande?

E cresci,
Mas pequena fiquei.


2011

Sem comentários:

Enviar um comentário