segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Principe *


Na névoa do conhecimento,
Prende-se a vontade do saber,
E a curiosidade mata,
A sede que outrora havia aparecido.

Não sei quem es,
De onde vens,
Para onde vais,
Tão pouco sei
O que queres de mim,
Ou mesmo que nada queiras,
O que quero de ti.

Es viajante perdido,
Guerreiro estimado,
Ladrão de almas,
Ou coração sangrento?

Serei eu a donzela em apuros?
Ficarei contigo,
Agora ou depois,
Ou num nunca
Para sempre.

Serás o nevoeiro,
Daquela manha
Onde o sol fugiu,
E a lua,
Daquela noite clara.

Serás mais que eu,
Mais que nos,
Mais que tu.

Corpo estendido,
Entregue a vida injusta,
Á decência dos pecadores.

Inerte na passagem do tempo,
Alheio ao mal efémero,
Louco,
Génio,
Cavalheiro.

Estarás aqui?

2011

Sem comentários:

Enviar um comentário