segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Não sou


Eu sou tudo o que não devia ser,
Tudo o que odeio,
E tudo o que te faz amar-me.

Não sou princesa,
Nem sapo,
Rainha ou,
Escrava.

Sou a pessoa que te trata mal,
E que te faz sorrir.
A pessoa que desaparece,
Sem nunca te abandonar.

Sem rosto,
Invisivel,
Sem identidade.

Mas sou eu,
A pessoa amada e odiada,
A pessoa inifinitamente perdida em ti.


Sabes onde perder-me,
Sabes onde encontrar-me.

Ao teu lado sou feliz,
Sem ti não sou ninguem.

Se te amo, odeio-te.
Se te odeio, não vivo sem ti.

Es o ar em mim,
A respiraçao de prazer,
O meu orgasmo vitalicio.

Quero-te em mim,
Desespero por ti.

E não suporto a tua presença.
Mas sou eu,
Nem princesa, nem sapo,
Nem rainha nem escrava,
Mas eu.

E serei o teu futuro, mesmo que vivas no passado.

2010

1 comentário: