domingo, 12 de setembro de 2010

Incongruências


Quero sentir o que não sinto,
Quero viver o que não vivo,
Quero amar,
Viver,
Beijar,
E dizer que te quero.

Que es tudo para mim,
A minha vida,
Ou que sem ti não sobreviverei.

Mas não consigo.

Anjo imperfeito mesclado de luxuria,
Prazer incontrolavel e nomada,
Fruto de amores e desamores doentios.

Quero deixar-te dentro de mim,
Queimar a tua marca na minha pele,
Sentir o teu sabor nos meus labios,
Mas tudo é-me interdito.

Quero-te, meu bem querer
Nada mais é que amor fugaz,
Incapaz de longas demoras,
Sempre desesperado por algo mais,
Ou algo menos.

Nao me deixes fugir,
Mas não me prendas.

Ama-me,
Mas não me adores.

Faz-me amar-te.
Faz-me conhecer esse dom chamado paixão,
Que totalmente desconheço
Mas que tanto anseio encontrar.
Ai, vida desprovida de emoçao!
Entrega-me algo que possa dar-me,
Ao menos algo porque viver…

2010

Sem comentários:

Enviar um comentário