quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Amor


Atinge-me de qualquer jeito,
É sempre noite, mesmo que o sol derreta o metal,
Sufoco no meu ar,
E odeio o que amo.

É patético,
Fujo do quero,
Persigo o que detesto.

Juras nunca odiar,
Prometes não pecar,
E vives num mundo insano,
Sem regras.

Não há segundas oportunidades,
Apenas uma estrada de sentido único.

Num segundo estou prestes a afogar-me,
Noutro estou a voar.

Es único,
Es vulgar,
Vives,
Morres.

Apenas fica aí,
A observar,
A ver-me chorar,

Mente-me.

Voltamos ao mesmo,
Um camiao passa-me por cima,
Apenas fica aí a ver.

O calor envolve-me,
O beijo derrete-me,
O frio acorda-me,
O estalo parte-me..

Não posso dizer-te o que vês,
Apenas o que sinto.

Deixo-te,
Reatamos..
Amanha é sempre um dia diferente,
Mas todos os dias são iguais..

Eu peço desculpa, mesmo que seja mentira.

Está tudo bem.

2010

Sem comentários:

Enviar um comentário